Nutrientes

Quando adubamos uma planta, na verdade o que tentamos é fornecer a ela exatamente o necessário de nutrientes para que ela desenrole o seu crescimento de forma sadia e assim se mantenha em suas fases posteriores.

Deixo para que vocês entendam melhor uma explicação básica sobre todos os nutrientes que uma planta de cannabis usa no seu ciclo de vida. Muitos desses nutrientes já se encontram em adubos preparados para cannabis mas no Brasil temos que procurar com calma um adubo que seja convincente e tratar possíveis deficiências com seu devido nutriente.

O grande problema de novos cultivadores, talvez por achar que quanto mais adubo colocar mais a planta crescerá, é a super dosagem de nutrientes. A planta não pode receber nem nutrientes de menos e nem demais, por isso temos que estar atentos a dosagem recomendada. Um grande segredo é sempre que começar a adubar a planta, (seja no sua fase de crescimento ou floração), com a metade do recomendado e ir subindo a cada adubada até chegar a dose certa, isso é bom para que a planta vá se adaptando ao adubo.

A super dosagem faz com que a terra fique pesada em sais, e as raízes da planta, por causa desse nível elevado de sais na terra bloqueia as entradas de nutrientes e então o crescimento da planta e dos camarões freia de uma maneira violenta.

As cores das folhas da cannabis podem servir para ajudar na detecção de sinais de super dosagem ou dosagem baixa na fase de crescimento vegetativo da planta. Verde muito escuro (sinal de super dosagem), Verde (normal), Verde claro amarelado(sinal de dosagem baixa).

Os nutrientes se dividem em três categorias: Macronutrientes, que são os mais importantes para a vida da planta, os Nutrientes secundários, que são muito utilizados pela planta também e por fim os micronutrientes, que são especiais para a produção de clorofila e tem que estar presentes em pequenas quantidades na planta.

Para ajudar no entendimento, veja a tabela abaixo:

MACRONUTRIENTES: Nitrogênio (N) – Fósforo (P) – Potássio (K)

Nitrogênio (N) – móvel: A cannabis gosta muito de nitrogênio e precisa níveis altos deste elemento em sua fase de crescimento vegetativo e níveis inferiores no resto de sua vida. O nitrogênio regula a capacidade das plantas para fabricar proteínas que são essenciais para o novo protoplasma das células. O nitrogênio com carga elétrica, permite a planta ligar as proteínas, os hormônios, a clorofila, as vitaminas e as enzimas. Este importante nutriente é o principal responsavel pelo crescimento de folhas, galhoe e assim como o tamanho em geral.

Fósforo(P) – móvel: A quantidade de fósforo empregado pelas plantas de cannabis alcança os seus níveis mais altos nas fases de germinação, produção de sementes, clonagem e floração. O fósforo é necessário para a fotosíntese e proporciona um mecanismo para a tranferência de energia dentro da planta, esse nutriente é formado em grande parte por enzimas e proteínas e é o responsavel pelo vigor geral da planta e a produção de resina ou sementes.

Potássio (K) – móvel: O potássio se usa em todas as fases da planta. As terras com alto nível de potássio, incrementam a resistência da planta contra bactérias e mofo. Esse nutriente ajuda a controlar açúcares, aminoácidos e carbohidratos, e se faz essêncial para a produção e mobilidade destes compostos. Aumenta a clorofila nas folhagens e faz a planta ter um melhor aproveitamento da luz e do ar.

Para a fase de crescimento vegetativo use NPK 10-10-10 e para a fase de floração NPK 10 – 30 – 15. Adubando de 4 em 4 dias com a dose recomendada. (Rega com água limpa, pula um dia deixando a terra secar e rega com adubo, pula mais um dia e rega com água limpa de novo).

NUTRIENTES SECUNDÁRIOS: Mágnésio(Mg) – Cálcio(Ca) – Azufre (S) 

Magnésio (Mg) – móvel : A cannabis utiliza muito magnésio e as deficiências são comuns em terras ácidas (com ph inferior a 7,0). O Magnésio é o átomo cenral da molécula da clorofila e se fal essêncial para a absorvção da energia luminosa. Ajuda a utilização dos nutrientes e que as enzimas fabriquem os carbohidratos y açúcares que, mais tarde se transformarão em flores.

Cálcio (Ca) – imóvel : A cannabis requer tanta quantidade de cálcio como requer os macronutrientes, evite ter uma terra fraca em calcio acrescentando farinha de osso sempre. O cálcio é fundamental para o crescimento e a integridade das células.

Azufre (S) – imóvel: Muitos adubos contém alguma forma de azufre, por isso quase nunca a planta demonstra carências desse nutriente. O azufre é essêncial para a fabricação de muitos hormônios e vitaminas, incluindo a vitamina B1. Também é indispensável nas sementes e em muitas células da planta.

  • MICRONUTRIENTES:
  • Zinco(Zn)
  • Manganeso(Mn)
  • Ferro(Fe)
  • Boro (B)
  • Cloro(Cl)
  • Cobalto(Co)
  • Cobre(Cu)
  • Molibdeno(Mb)
  • Silício(Si)
  • Níquel(Ni)
  • Sódio(Na)
  • Flúor(F) 

Zinco(Zn) – móvel: Ajuda na formação de clorofila, cataliza enzimas e auxinas da planta. É crucial para o crescimento dos galhos e tem um papel vital na produção de açúcares e proteínas. Deficiências de zinco são mais frequentes na cannabis.

Manganeso(Mn) – imóvel : O manganeso intervém nos processos de oxidação/redução, associados com o transporte de elétrons fotosintéticos. Junto ao ferro esse nutriente dá assistência na utilização de nitrogênio para a produção de clorofila. Deficiência de manganeso em cultivo de interior é comum.

Ferro(Fe) – imóvel: O ferro é fundamental para os sistemas enzimáticos e para o transporte de elétrons durante a fotossíntese, a respiração e a produção de clorofila. Em cultivos de interior pode dar deficiência em terras alcalinas.

Boro (B) – imóvel : Não costuma causar problemas, mas o boro tem que estar sempre presente na vida das plantas. O boro é meio que um mistério bioquímico, sabemos que ele ajuda o cálcio ser absorvido e a muitas outras fuções da planta. Alguns cientistas reuniram provas de que sugerem que o boro ajuda a síntese de uma base para a formação de ácido nucleico e também existem provas sólidas do papel que o boro desempenha na maduração, na respiração celular e na germinação do pólen nos pistílos.

Cloro(Cl) – imóvel : O cloro costuma estar presente em muitos sistemas municipais de água, não chega a ser um componente dos adubos e quase nunca dá deficiência no cultivo. O cloro em forma de cloruro é fundamental para a fotossíntese e a divisão das células nas raízes e na folhagem.

Cobalto(Co) – imóvel : É necessário para o desenvolvimento e crescimento de inúmeras bactérias que beneficiam as plantas, vital para a absovção do nitrogênio e de alguma forma está envolvido com os enzimas aromáticos da planta.

Cobre(Cu) – imóvel: A planta necessita quantidades muito pequenas de cobre. Esse nutriente colabora com o metabolismo de carbohidratos e a fixação do nitrogênio no processo de redução de oxigênio. Também ajuda a fabricar proteínas e açúcares.

Molibdeno(Mb) – imóvel : O molibdeno é parte dos maiores sistemas de enzimas que convertem o nitrato em amônia, é usado em muito pouca quantidade mas é essêncial. é mais ativo nas raízes e nas sementes.

Silício(Si) – imóvel : É facilmente disponível na maioria dos adubos e é absorvido pela planta como ácido silícico. O silício ajuda o magnésio e o ferro a se manterem consistentes.

Níquel(Ni) – Os enzimas precisam de níquel paradescompor e utilizar o nitogênio desde a uréia. Também é essêncial pra a absorvção de ferro.

Sódio(Na) – Esse elemento pode ser problemático, muito pouco já é o suficiente e ele é absorvido rápidamente pela raíz. Pode bloquear outros nutrientes e causar deficiências severas.

Flúor(F) – Alguns sistemas de abastecimento de água já contém fluor, mas se se concentra pode tornar-se tóxico. Não se ouve falar de super dosagem nem deficiência.

Móveis e imóveis:

Os nutrientes móveis, são os que podem ter mobilidade dentro da planta e mover-se de lugar saindo das folhas mais velhas que se situam em baixo da planta, dando cobertura em deficiências das partes mais novas da planta que se situam encima. Já os imóveis, não tem essa capacidade, portanto ficam na mesma região da planta cumprindo o seu papel até o final do seu ciclo de vida.

Com isso, sabe-se que na maioria das vezes, ao detectar alguma carência de nutrientes na planta, se a deficiência apresentar sinais na parte mais nova da planta, que se situa na parte de cima, serão muito maiores as chances de ser um nutriente imóvel que está deficiente. Quando a deficiência se apresenta em baixo da planta, as chances da carência ser de nutrientes móveis.

Artigo retirado de Forum

 Quando cultivar com composto orgânico, geralmente tem nutrientes para 45 dias (galera, aqui no Brasil a receita do Ganja é altas receitas orgânicas, usem aquela), depois destes dias voc^}e irá enriquecer a terra com Fósforo (P) e Nitrogênio e Potássio também é necessário quando colocar para florecer.

 Eu geralmente alimento elas 1 vez a cada 20 dias no vegetativo, com algas marinhas com 50% da força, depois vou esperar ela estar uns 5 dias florinadoo para adicionair o enriquecedor de Fósforo, Cannabis adora nitrogênio no vegetativo e fósforo na floração. Nunca use o que a embalagem recomenta sempre a metade, minha primeira adição de fósforo eu uso 25% do recomendável.

 Os novatos quando alimentam a planta pela primeira vez, e vêem ela crescer super bem, acham que podem fazer milagres, colocam mais nutrientes, para ter ela pronta em 2 meses, e na verdade isso não é possível, você vai acabar matando suas plantas. Não estrapole.

Tags:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.