Cultivo Organico

Nutrientes Orgânicos 

A primeira razão para se utilizar nutrientes orgânicos em vez de químicos, é porque a chance de se queimar as plantas (superfertilização causando problemas ou morte) é quase zero. Ao alimentar com substâncias orgânicas, a planta só absorverá o que ela necessita, deixando o resto no solo. Adicionalmente, fertilizantes orgânicos são quebrados lentamente por microorganismos do solo, o que assegura um suprimento constante para suas plantas; além disso, ter muitos microorganismos presentes no solo é benéfico para o solo e consequentemente para suas plantas também.

Fertilizantes químicos, por outro lado, são altamente solúveis e geralmente encontrados com uma maior concentração do que fertilizantes orgânicos. Após aplicados no solo, eles são rapidamente absorvidos pelas raízes. Por sua alta concentração, essa ação rápida irá causar uma dosagem tóxica dos nutrientes, se for usado em excesso, levando a problemas ou até a morte da planta. Ainda por cima, fertilizantes químicos deixam resíduos salinos no solo. Se a planta não for enxaguada periodicamente (cada 1-2 meses), esses sais podem se acumular em níveis perigosos para a planta. (Nota – Se o solo não for enxaguado um pouco antes da colheita, o gosto de seu fumo será afetado negativamente.) Finalmente, fertilizantes químicos tem um efeito devastador nos microorganismos do solo, incluindo minhocas.

Além das questões de química do solo e da absorção de nutrientes, existe pouco o que questionar sobre o benefício da utilização de substâncias orgânicas ao meio ambiente, mesmo plantando em estufa. Fertilizantes orgânicos tais como, farinha de osso, emulsão de peixe, esterco, húmus, etc, são renováveis. O petróleo, de onde os fertilizantes químicos são sintetizados, não é.

Para o cultivador ao ar livre, a opção do tipo de fertilizante tem um efeito ainda mais profundo. A chave do sucesso de um plantio bem sucedido e a saúde do solo. Fertilizantes químicos tem um efeito adverso na vida do solo, diminuindo a biodiversidade e a força do solo, e por serem muito mais solúveis do que os orgânicos, são frequentemente enxaguados pela água da chuva ou excesso de água ao regar. Além de serem perigosos para suas plantas, causam problemas de poluição em potencial, por exemplo, as algas tóxicas que surgem em lagos e lagoas são constantemente associadas com fertilizantes químicos que “vazam” para o lençol freático atingindo córregos e nascentes.

Fertilizantes orgânicos também tem o seus senões, especialmente para o cultivo em lugares fechados. Alguns deles, como a emulsão de peixe em particular, tem um odor forte que pode incomodar narizes delicados. (Muito embora, medidas de segurança envolvendo filtro de ar e ionizadores devam manter os cheiros em seus devidos lugares…). Além disso, por desenvolverem a vida orgânica do solo, podem ocorrer problemas com insetos e particularmente fungos. Finalmente, alimentos orgânicos requerem uma maior dedicação de tempo e esforço por parte do usuário. A grande vantagem dos químicos é a praticidade.

Notas sobre alguns fertilizantes orgânicos mais comuns:

Farinha de Sangue: 13 – 0 – 0

Possui uma das maiores concentrações de Nitrogênio de todos os fertilizantes orgânicos, e por isso se constitui na melhor escolha para o crescimento vegetativo. Em sua forma de ação seca e lenta, pode ser misturada ao solo na proporção de 1 a 2 colheres de sopa por 4 litros de solo. Sua versão solúvel é a mais utilizada, por sua ação rápida sem o risco de se queimar as plantas como os fertilizantes químicos. Para fazer o chá de farinha de sangue, deixe uma colher de sopa de molho em 4 litros de água, por 5 ou 7 dias. Quanto mais tempo maior a concentração de N. Agite bem, coe o resíduo sólido, e regue suas plantas.

Farinha de Ossos: 1 – 11 – 0

Por sua alta concentração de fósforo, é mais indicada para o período de florescimento, porem por ser de lenta dissolução, é recomendado que seja adicionado ao solo ainda na fase vegetativa. (Talvez o melhor seja misturar somente no solo do último transplante.) Um dos cuidados com a farinha de ossos, especialmente na Europa, é o medo de contágio da doença da vaca louca. Muito embora ainda não tenha sido provado, vale ter isso em mente.

 Emulsão de Peixe: 5 – 1 – 1

É uma solução liquida feita de peixe decomposto e as vezes outros ingredientes. É um fertilizante extremamente gentil e a melhor escolha como o “primeiro fertilizante” para se usar em plantas jovens. Sua taxa de NPK é ideal para o estágio vegetativo. Pode ser diluído em água na proporção de 1 a 3 colheres de sopa por 4 litros de água.

Húmus: 0.5 – 0.5- 0.3

Também conhecido como o bom e velho cocô de minhoca, talvez seja o melhor fertilizante orgânico no cômputo geral. Apesar do baixo nível relativo de nutrientes, húmus por alguma razão tem um excelente efeito no vigor das plantas, tendo seu efeito reconhecido por todos que o utilizam. Por ser bastante gentil, pode ser usado em plantas recém germinadas por também conter micronutrientes. Pode ser misturado ao solo na proporção de 15% do volume total ou feito chá (1 parte de húmus para 5 partes de água.) e aplicado no solo ou fertilizante foliar.

 Composto de Algas Marinhas: 1 – 0.5 – 2.5

Fornece cerca de 60 tipos de elementos, além de hormônios de promoção de crescimento e enzimas. É usado para assegurar que a planta está conseguindo os micronutrientes necessários. Pode ser misturado ao solo (1-2 colheres de sopa por 4 litros de água) ou feito chá na mesma proporção.

 

Artigo retirado de forum:

Como growers tudo o que queremos é saber como cultivar a mais forte e mais rápida planta, até ai tudo bem, mas algumas vezes nós colocamos tanta coisa na planta só para ver até onde ela pode chegar.

Cannabis é uma planta que o homem colocou num microscópio e basicamente transformou em um Frankenstein, a planta por ela mesmo não ta interessada nestas coisas, ela só quer crescer e sobreviver, então, antes de qualquer coisa precisamos levar isto em consideração e respeitar a planta e a natureza.

A cannabis é uma planta muito forte porém também muito sensitiva com mudanças no ambiente.

Muita água, pouca água, muito nutriente, pouco nutriente, mudanças constantes no PH, a luz liga e apaga, alguns growers acham que a planta é estúpida e não percebe se ele liga a luz as 8 horas num dia e no outro as 8:30, bem cannabis não é estúpida.

Cannabis é e sempre será uma planta para plantar em outdoor, então se queremos cultivar cannabis indoor, tudo o que precisamos é simular a área outdoor.

Luzes não se comparam ao sol, então para criar indoor é necessário trabalhar duro na fotossíntese da água e nutrientes., outdoor é muito mais difícil para overwater uma planta, por ter sol quente a água evapora com mais facilidade.

Cannabis ama o vento, o vento e as raízes são as coisas mais importantes para a planta, o ar precisa chegar nos vasos/raízes para a planta poder respirar.

Growers pensam que porque usam um monte de fertilizadores e luzes e alguns truques eles vão criar plantas gigantes, ter enormes colheitas, bem eles estão errado e geralmente eles matam as plantas.

A coisa mais importante para a planta são as raízes, quanto mais as raízes suportarem maiores serão os BUD´s.

Luzes, nutrientes e condições de crescimento são muito importante, mas eles não são mais importante do que ar e espaço para as raízes.

O que eu uso?? Eu uso composto orgânico para solo, algas marinhas, enriquecimento de fósforo, farinha de sangue e farinha de osso, (aqui ele também menciona Guano que não sei o que é) e Perlite.

Germinação ? este estágio é muito imporante para o ciclo da planta, eu gosto de começar com um copo de 300 ml, e replanto ela 3 vezes, do copo para um pote de 5 litros, depois para 10 litros e finalmente para um pote de 20 litros, Porque eu faço isso??? Porque acho que estimula a planta a crescer melhor.

Eu uso composto orgânico com um pouco de perlite no fundo, isto dá ar para as raízes e previne o overwater, depois eu misturo o solo com 1/3 de perlita, não coloco perlita no topo do solo, deixo 2 cm de solo puro no topo. A planta primeiro enraíza e depois crescre, enraíza mais e depois cresce, etc. Por isso você precisa transplantar no momento certo. (ele quer dizer que no copo a raiz chega ao fundo e depois começa a crescer, aí ele muda de pote, ela enraíza e cresce….. isto é verdade, já notei uma semente que coloquei num pote grande e outra em um copo, a do copo cresce mais rápido, pq atinge o fundo mais rápido.)

Não aliemente as plantas no começo, o composto já é suficiente, porém tome cuidado com o PH, ele deve estar em 6.0 e 6.6.

fonte: http://www.cannabiscafe.net/